Nós escrevemos para experimentar a vida duas vezes.

Eu tinha cinco anos quando fui viajar com a turma da escola pela primeira vez. Era uma viagem de trem pela Serra do Mar, e eu não poderia estar mais animada (na verdade não me lembro da sensação em si, mas pelo que se seguiu, imagino que fosse isso). Diversão, descobertas, brincadeiras com os amigos. Mas assim, nada de ex-tra-or-di-ná-rio aconteceu. Então, quando eu cheguei em casa e minha mãe perguntou como foi, dei a resposta: Eu caí do trem no meio da estrada. E daí a tia jogou uma corda, eu me segurei nela e consegui subir de volta (e devo ter sido convincente, porque diz que minha mãe ligou pra diretora só pra confirmar se isso não tinha acontecido mesmo).

Desde então, nunca parei de procurar maneiras de incrementar a realidade, de dar aquela floreadinha no dia-a-dia, de inventar a abdução alienígena que a gente espera presenciar de verdade. Se fosse pra ser verossímil, eu escreveria pra um jornal, né? Além de criar mundos improváveis, quero compartilhar as experiências dessa loucura que é inventar. Aqui é um local pra revelar minhas reclamações, vitórias, indagações e divagações, com a esperança de começar uma conversa valiosa para todas as partes envolvidas.

Aléxia tem vinte e sete (vezes sete) ondinhas puladas em viradas de ano, um mundo impresso em papel, alguns publicados online e outros ainda nadando até a superfície. Gosta de escrever sobre literatura e outras artes no contexto brasileiro, saúde mental, feminismo e questões LGBT+ — e, sempre que possível, inserir metáforas aquáticas nesses contextos. Além de inventar mundos, é apaixonada por falar sobre escrita e escrever sobre comida.

Mundos presos no papel

Serviços de marketing digital personalizado

Para marcas

Sou bacharel em Comunicação Social com proficiência em português e inglês e experiência nas áreas de escrita publicitária e literária. Além de vivência em agências com atendimento a clientes de níveis nacionais e internacionais, tenho um livro de ficção e um e-book técnico publicado, e mantenho este blog de conteúdo para escritores.

Abaixo estão alguns exemplos de serviços de redação que ofereço. Tenho experiência em diferentes modalidades de escrita publicitária, institucional, informativa e literária.

  • Roteiros (publicitários, vídeo-aulas ou institucionais)
  • Escrita literária
  • Planejamento e produção de peças publicitárias
  • Produção de artigos
  • Tradução de/para inglês (americano ou britânico)
  • Revisão ortográfica e crítica
  • Ghostwriting

PARA AUTORES

Se você é autor, posso te auxiliar na revisão e produção de materiais de marketing para divulgação ou inscrição em prêmios/editoras/agências literárias. Confira alguns dos serviços:

  • Revisão ortográfica e gramatical;
  • Produção de sinopse;
  • Produção de resumo/argumento;
  • Produção de pitch e logline

Compartilhando experiências

Veja minhas dicas para escritores e reflexões sobre ser artista no Brasil.

Águas vividas

Reflexões sobre o mar profundo que é o mundo.

Pitch literário: O que é e como fazer o seu | #GlossárioLiterário

Você já ouviu falar em pitch? Esse termo em inglês, que poderia ser traduzido por algo como “proposta”, é um material muito importante no meio literário. Entenda melhor o que ele representa e porque você precisa de um. Como sempre, esse conteúdo também está disponível em forma de vídeo. Mas, se preferir, o texto continua […]

7 aplicativos gratuitos para escritores

Hoje eu quero falar sobre um assunto que eu particularmente sempre gostei bastante como escritora, eu adoro aplicativos e sites que ajudam a me organizar, que trazem alguns recursos diferentes, enfim, que ajudam em vários aspectos da escrita. E o melhor: todos esses aplicativos estão disponíveis para iOS, para Android e também na versão web […]

Como trabalhar em home office (dicas para se organizar)

Dos inúmeros desafios que a pandemia trouxe, um deles foi se adaptar a trabalhar em casa – o famoso home office. Recentemente, eu realizei um plano já de longa data ao começar a praticar isso, numa empresa que já havia implantado esse sistema antes da quarentena. Por isso, separei algumas dicas para quem ainda está […]

Por que produzir na quarentena?

Com a dificuldade em ser produtivo, você começa a se perguntar se deve mesmo escrever, desenhar ou produzir em geral num momento como esse. Será que faz sentido pensar na arte em meio a uma pandemia? É sobre isso que falo no vídeo de hoje: Por favor se inscreva e deixe seu comentário por lá! […]

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.


Siga meu blog

Receba novos conteúdos na sua caixa de entrada.